TODAY’S OUTFIT #266

Hi Buddies,

Quem acompanha o blog sabe que não uso muito jeans. Tudo por que já usei tanto que cansei um pouco. Mas é preciso dizer que o jeans ocupa uma posição única na história da moda masculina. Ultrapassa os caprichos sazonais da moda e convida que usa a aplicar nele seu próprio estilo.

Atualmente, a calça jeans é o item mais comum, e ao mesmo tempo mais pessoal, para a maioria dos homens. É um fenômeno global!

A chegada dos chamados “jeans de grife” marcou um novo estágio na evolução do jeans. Os jeans masculinos de grife apareceram no final da década de 1970; havia um enorme potencial de mercado, mas o avanço era na direção de um território desconhecido. O dilema estava no fato de que a noção de “grife”batia de frente com o apelo original do jeans como item de inconformismo e expressão jovem.

Em poucos anos, e em resposta aos estilos de rua em ascensão, que motivaram a customização com rasgos e branqueamento do tecido, os fabricantes reproduziram os looks e redirecionaram o jeans para um público mais experiente. Na verdade, os jeans de marca ganharam “malandragem”.

Atualmente, as marcas premium de jeans incluem grifes europeias e japonesas famosas que oferecem um leque de cortes, ajustes e acabamentos.

Sempre digo que gostaria de ter inventado o blue jeans: o mais espetacular, o mais rápido, o mais relaxado e descontraído. O jeans tem expressão, modéstia, sex appeal, simplicidade – tudo o que desejo para as minhas roupas.

Yves Saint Laurent

É isso!

Have a nice day!

Óculos/Sunglasses Ventura

Camiseta/T-Shirt British Colony

Bolsa/Bag Gant

Calça/Pants Raf by Raf Simons

Tênis/Sneakers Gucci

Relógio/Watch Louis Vuitton

Pulseira Cruz com Safiras/Sapphire’s Cross Bracelet Zolt (ENCONTRE AQUI)

Riviera/Riviera Bracelet Priya

Fotos/Photos: José Pelegrini

PS.: Follow me on Facebook + Twitter + Instagram + Pinterest

;-)

Fonte: Moda Masculina

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 Comentários:
  1. Edson Nova

    É isso:a indústria cultural não luta contra os seus inimigos, junta-se a eles! A principal prova disso é o rock. Eu não sou apocalíptico nem nada, não vejo problema em massificar as coisas, só é bom parar pra refletir sobre o sentido original dos produtos de vez em quando.
    Adorei o post: BK é cultura!

    A propósito, fico temeroso de usar casaca e sobretudo (o que é raríssimo aqui no Nordeste) com tênis. Posso mesmo?

  2. philippe

    Se vc conseguir sobreviver ao calor nordestino usando casaca + sobretudo, pq não? Basta ter disposição! rsrsrsrs
    Isso me lembrou um filme (Muita calma nessa hora). Uma personagem pergunta para empregada:
    – Fulana, dá pra ir à pé até a Rua das Pedras (Búzios-RJ)?
    A empregada responde:
    – Dá! À pé dá pra ir até pro Piauí. Basta ter disposição!
    😉

  3. Edson Nova

    Vc é de uma crueldade tão charmosa, Philippe! rsrsrs
    Ao contrário do que muitos pensam, existem muitos lugares frios no Nordeste.
    Mas não no litoral: justamente a parte que os turistas conhecem.

    As altitudes de muitos interiores garantem um clima ameno (como na minha cidade natal). E no sertão faz um calor absurdo durante o dia, mas um frio absurdo durante a noite. Justamente pelo fato do clima ser seco, favorece a mudança brusca de temperatura num só dia.

    Isso se deve a uma propriedade química da água, que faz com quer ela mude de temperatura com dificuldade (é isso que impede o oceano de evaporar por completo). É por isso que o ar-condicionado precisa retirar a humidade do ar. Então, o sertão, a noite, vira um grande ar-condicionado.

    Hoje eu vivo no litoral, mas to sempre viajando.