TODAY’S OUTFIT #290

Hi, Buddies,

E o frio, hein?!

Mas é engraçado morar num país com dimensões continentais como o Brasil: Sul, Sudeste e Centro-Oeste, frio de lascar; Norte e Nordeste, calor, calor e calor.

Bom, e neste TOF, fiquei “em cima do muro”, né?! Rs…

Há pouco tempo atrás, não curtia vincos nas calças, achava coisa de gente velha. Hoje, acho extremamente bacana!

Nos anos 1880, foram introduzidos os vincos nas calças masculinas, que originalmente eram marcados do joelho até a barra das calças. Acredita-se que a prática foi adotada para reduzir a aparência desagradável de “sacos” nos joelhos. Em 1900, os vincos se estenderam até a cintura; em mais uma década, as calças com vinco inteiro passaram a ser comuns, e assim permanecem até hoje.

É isso!

Have a nice day!

Óculos/Sunglasses Unofficial

Malha/Sweater Lacoste

Pasta/Briefcase Fauré Le Page

Calça/Pants Gant

Espadrilhas/Espadrilles Zara

Relógio/Watch Disney

Riviera/Riviera Bracelet Priya

Pulseira Cruz com Safiras/Sapphire’s Cross Bracelet Zolt

Fotos/Photos: José Pelegrini

PS.: Follow me on Facebook + Twitter + Instagram + Pinterest

;-)

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:TODAY’S OUTFIT #290
  1. soqueriaterum

    Kadu, também gosto de passar as minhas calças desta maneira. Permita-me apenas complementar. É difícil rastrear origem dos vincos e não se sabe ao certo quando este hábito teve início. No entanto, observando-se imagens de trajes da época Vitoriana (1880) nota-se que as calças não tem nenhum vinco frontal. Foi só em 1890 que eles começam a aparecer.

    É engraçado falar de “coisa de gente velha” porque depois da primeira guerra mundial o vinco nas calças era um símbolo da nova geração, O motivo, bem interessante, talvez seja este destacado nestre trecho de um livro de 1918 (que depois virou filme em 1942):

    “Trousers with a crease were considered plebeian; the crease proved that the garment had lain upon a shelf, and hence was “ready-made”.”
    — Booth Tarkington

    Faz sentido. Durante a Guerra, a necessidade de fabricar grandes quantidades de uniformes trouxe consigo a fabricação em massa de roupas, que eram guardadas em prateleiras e adquiriam os vincos.

    Logo logo os vincos tornariam-se uma necessidade. Em 1920, quando as calças ficaram mais largas, eles tornaram-se um padrão da moda, pois mantinham a linha contínua da calça em relação ao resto do traje. Os filmes do começo da carreira de Fred Astaire são um excelente exemplo do “poder” dos vincos. Suas calças vistas de frente, apesar de cortadas de forma ampla, parecem “slim-fit”.

    Além da estética, é assim que os vincos ainda podem nos ajudar bastante. As proporções das minhas pernas, por exemplo, não se encaixam muito bem em calças slim fit. Prefiro comprar calças largas (retas) e ajustá-las do joelho para baixo. Os vincos ajudam a dar o toque final: a calça fica com uma linha esguia sem que eu precise me apertar todo. O mesmo pode ser dito da bainha italiana que você tem nessa calça da Gant, mas aí já são outros 500!