BKFWTOUR: LONDON COLLECTIONS: MEN

Hi, Buddies,

Enquanto os olhos de todos estão voltados para os jogos da Copa do Mundo aí no Brasil, eu estou acompanhando de pertinho as semanas de moda aqui na Europa. Apesar de não ter ido para Londres desta vez, acompanhei tudo e resolvi fazer um resumão para quem perdeu. Marcas como a Moschino, Tom Ford, Burberry Prorsum, Sibling, E. Tautz, Sir Tom Baker, Edward Crutchley, DKNY Men, entre tantas outras, já desfilaram e mostraram as suas tendências para a primavera/verão 2015. O BK mostra tudo!

LONDRES-POST
A London Collection: Men é conhecida por seus estilistas que trazem muitas novidades para a moda universal como um todo, se tornando assim, um das principais semanas de moda do mundo!

Começamos pela Sibling, que trabalhou na linha de ruptura de gêneros com o tema anti-cultura. Sob o tema “morte”, a grife desfilou roupas do tipo uniforme para grupos de atitude guerreira e exibicionista, trazendo texturas, transparências, estampas, crochê e até Swarovski em modelos que iam de calças a saias, além de blusas, macacão e trench coat.

SIBLING-POST

Um nome importantíssimo e que já trabalhou com Kanye West e Pringle of Scotland, além de colaborar com a Louis Vuitton e Richard Nicholl, Edward Crutchley lança marca que leva seu nome nesta edição da LCM. O consultor de design têxtil se baseia em seu conhecimento de técnicas artesanais de várias partes do mundo para compor suas peças sportwear de luxo. Crutchley traz para sua marca a tradição artesanal de países como o Japão e Indonésia, apresentando peças de estampas étnicas em que é possível notar a referência de kimonos japoneses. Legal, né?

EDWARD-CRUTCHLEY-POST

Outro nome que acabou de lançar sua marca na LCM, mas que já era conhecido anteriormente como o rei da alfaiataria rock’n roll – uma vez que já construiu ternos para grandes artistas da música – é o Sir Tom Baker. Baker possui técnicas sob medidas que faz o terno cair como uma arte (assim como ele mesmo fala) no corpo do homem. Com uma pegada mais sombria, usando cores como o preto, cinza e vinho, a marca trabalha com tecidos e forros britânicos (flanelas, sedas, cashmeres, cetins) para construir sua coleção baseada no rock.

SIR-TOM-BAKER-POST

Burberry! Inspirado pelo escritor Bruce Chatwin, a fluída caligrafia misturava-se ao mundo que Bailey criou, com estampas vintage, chapéus, trench coats, pastas e cadernos de couro, em tecidos como o feltro, camurça e veludo, sempre expondo a sua elegância já embutida no nome. Já as cores entregam a cara da marca: tons de azul, laranja e verde. Os tênis coloridos também estavam presentes em todas as produções, fazendo este delicioso contraponto entre a alfaiataria e o sportwear.

BURBERRY-POST

O J.W. Anderson é mais uma grife que também quebra as barreiras entre o masculino e feminino em suas coleções (exemplo para o top decotado e com a barriga de fora), mas também traz pólos, paletós, calças – largas e justas –, além de blusas que lembram a tapeçaria por conta das estampas.

J.W.ANDERSON-POST

A Moschino é a grife do momento e, depois que Jeremy Scott assumiu a direção criativa, a marca nunca mais foi a mesma – a começar pela referência do Mc Donald’s e Bob Esponja na Semana de Moda de Milão (feminina) Outono 2014. Agora Scott se baseou em logotipos de marcas de refrigerante e no cifrão (até o símbolo do dinheiro não escapa de sua mente criativa) para construir ternos e conjuntos de shorts/calça com blusas. Scott mostra seu gosto por apropriação e brinca ao chamar isso de pop e trazer para o mundo da moda a cultura kitsch. Para mim, ele é o nome do momento.

MOSCHINO-POST

A Topman mergulhou na década de 1970 em seu desfile (incluindo Woodstock), mostrando camisas justas, calças boca de sino, além de muita sobreposição e estampas étnicas e floridas – bem a cara do verão!

TOPMAN-POST

O mestre Tom Ford inspirou-se na América para desenvolver sua coleção em denin, a qual usa de justificativa para tal escolha de tecido. Segundo ele, o homem que veste sua marca a usa em momentos mais descontraídos e que não precisa de terno e gravata. (oi?) Calças, jaquetas e camisas compõe a sua produção em cores como laranja, marrom, preto e azul escuro. Um detalhe, e que eu gosto muito, são os lenços – hora sutil, hora com mais aparição – presentes em todos os looks.

TOM-FORD-POST

Por fim, a DKNY trouxe sua alfaiataria misturada com sportwear entre as cores azul e branco, se referindo aos esportes americanos – assim como o casaco de beisebol.

DKNY-POST

Colaboraram:
Paulo Fraga
Vinícius Máximo

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 Comentário:BKFWTOUR: LONDON COLLECTIONS: MEN
  1. cunhaecruz

    Tão natural como ver Coca-Cola e ter sede, é ver as peças da ‘nova’ Moschino e abrir um sorriso contagiante como os desfiles que ela está apresentando. É o ‘país das maravilhas’ no mundo da moda … Convidativo, não?!

    Parabéns pela cobertura, Kadu!