BKFWTOUR: MILAN FASHION WEEK – PART 1

MILAN
Hi, Buddies,

As semanas de moda por aqui estão a todo vapor! A Milan Fashion Week acabou hoje e, neste exato momento, acabei de chegar em Paris. E por lá, como comentei em outro post, desfilaram marcas como Ermenegildo Zegna, Costume Nacional, Versace, Philipp Plein, John Richmond, Salvatore Ferragamo, Calvin Klein Collection, Missoni e Prada. E o BK, mais uma vez, te deixa a par do que rolou em todos estes desfiles.

Italo Zucchelli, diretor criativo da Calvin Klein Collection, optou por modelos mais atléticos, ou seja, menos magricelas. Looks monocromáticos dominaram o desfile nesta cor “carnuda” que o estilista denominou como Buff e que prevaleceu em diversas combinações entre blusas, regatas, blazers, calças e shorts. Além disso, algumas foram trabalhadas em tecidos com PVC nas cores amarela, vermelha e laranja – que também repetiram em bomber jackets bastante chamativas. A alfaiataria veio misturada com sobreposições bastante inusitadas e inspiradas em elementos do esporte, principalmente na parte de baixo, nesta espécie de cueca+shorts. Além disso, outra característica da coleção foi a mistura de tecidos e texturas.

POST1

Já a Salvatore Ferragamo buscou inspiração nos cortes dos anos 1950, deixando a coleção ultra sofisticada e bastante urbana. Massimiliano Giornetti, o diretor criativo da marca, trabalhou uma paleta de cores em tons “desmaiados”, como o azul petróleo, o vinho e o amarelinho, numa alfaiataria suave, com destaques para os cintos, as sutis estampas, as malhas texturizadas e – meu desejo imediato deste desfile – papetes e sapatos com detalhes em franjas e barbicachos. Além disso, casacos longos e fluidos, ora com capuzes, ora ​​com punhos dobrados, deixavam evidente o forro com estampa de girafa. Tudo muito chique!

POST2

Segundo Miuccia Prada, a única forma de transgredir, neste momento, é voltando os olhos para o conservadorismo da moda. Por isso, sua década de inspiração foram os anos 1970, que resultou em camisas com golas enormes e pontudas, pespontos absurdamente largos e muito jeans, num desejo de projetar algo real. Além disso, trabalhou em cima da igualdade entre os sexos, apresentado peças para homens que, segundo ela, seria espetacular também para as mulheres. Sendo assim, traduziu esta ideia também em looks femininos, onde elas quase roubaram a cena do desfile. As cores ficaram quase todas em tons de azul, mas também foi possível ver bege, verde e vinho.

POST3

O designer alemão Phillip Plein preparou um verdadeiro show, no Milan’s Botta, clube aquático de Milão. Um grupo de atletas de nado sincronizado começou o show enquanto o Rapper americano Theophilus London cantava ao vivo pilotando um jet ski. Preciso dizer que a inspiração era náutica?

Bordados da Marinha foram costurados em uma infinidade de peças, que incluíam jeans rasgados, camisas, bombers em couro e blazers, enquanto cardigans e blusas decoradas com listras náuticas foram combinados com os ternos slim.

POST4

Ermenegildo Zegna teve seu desfile inspirado em uma casa inacabada da Grécia, a qual foi vista pelo diretor criativo da marca Stefano Pilati, resultando na ideia de que um espaço indefinido poderia trazer alguma mensagem. Sendo assim, suas roupas foram desconstruídas, numa brincadeira com proporções e tamanhos. Blazers, camisas e calças mais frouxas apareceram com força nos looks. Algo que eu gosto bastante e também esteve presente no desfile, são os casacos usados sobre os ombros (isso mostra que a tendência ainda vai continuar por mais algum tempo). As cores verde, azul, laranja, vinho e bege fizeram essa coleção.

POST5

Rock ‘n’ Roll foi o tema da Costume National, fazendo referência a grandes nomes da música da década de 1970, como David Bowie. Blazers e camisas em tons monocromáticos de preto, branco, azul, vinho e vermelho fizeram a coleção, assim como calças boca de sino. Algumas produções continham listras horizontais e verticais, numa estética um pouco empoeirada.

POST6

Donatella Versace estava com os olhos voltados para o físico atlético da Roma antiga nesta coleção repleta de drapeados, tangas e togas com detalhes em dourado. Mas o império da Versace se estendeu muito além da Roma antiga, indo até as ruas quentes de Havana, em Cuba, como uma outra inspiração. Ternos com shape dos anos 1990 em cores ensolaradas, como o rosa e o azul, receberam patronagem de folhas de palmeiras. O jeans foi adaptado para climas mais quentes, cheio de recortes e bordados. Tudo a cara do homem Versace!

POST7

Blog do Kadu - Milão

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *